Terça-feira, 22 de Dezembro de 2009

Natal sem ti...

 

 

 

Natal sem ti…

Mais uma vez é natal
este é sem ti…
Procuro-te e não estás,
falo-te e não me respondes
Mas algures, no meu coração estás presente
pela lembrança…
pelo amor que te dedico…
Senhor, dá-me somente um pouco de poder
Para alegrar quem está a sofrer
pela falta de companhia,
pela falta da família,
desejo mais poder…
para por em teu rosto
o sorriso da alegria, da saúde e do prazer
procuro-te nos meus sonhos,
nas minhas fantasias e imaginação
Como te proporcionar um natal feliz…
Aliviar tuas duvidas,
incertezas, anseios e emoções…
Junto-me ao brilho das estrelas,
ao prateado da imensa lua!
ao murmúrio das ondas do mar!..
Ao vento que leva e trás,
todo este meu sentir,
ao olhar o belo por do sol…
Venho aqui, contigo partilhar
tu que não estás…
Mas permaneces, para sempre
na memoria, no coração
Natal não será sem ti…
Longe, presente ou não
Tu que não estás, nem te vejo…
Vem dá-me a tua mão…
no sentimento, no sonho, na imaginação
que este natal sem ti…
seja um natal de união
de paz amor e compreensão
pela partilha e recordação…

 

 

 

 

 

Este é o meu ultimo poste até algunss dias depois do Natal...
Boas festas para todos,
não se esqueçam de mim, pois eu não esquecerei...


Bjs doces 
      

sinto-me: Sem ti...
musica: Noite Branca
publicado por Alzira Macedo às 17:14

link do post | comentar | ver comentários (17) | favorito
Segunda-feira, 21 de Dezembro de 2009

Será Natal igual para todos...

 

 

Natal, Uma Prece e um momento de renovação!

 

 

 

 

O pêndulo parece acelerar a batida
Movimentos em quase HIPNÓTICOS, afinal
É o anúncio de mais um ciclo que se finda
E traz com ele uma lembrança (chegada) do Natal.

Que a crise que abala o mundo dos negócios
E que nos torna consumidores mais comedidos
Não abale a fé, a solidariedade, a comunhão, a esperança
De milenar uma mensagem escrita em uma manjedoura

Pois, de tempos em tempos, renova-se
Não apenas as estações, como fases lunares, os calendários
Mas, o amor pregado pelo coração do Menino Deus
Que unge de esperanças o atormentado espírito humano.

Crises são janelas de oportunidades
Para Avaliar os feitos e desfeitos
No contínuo aprendizado humano dos seres
Que esta prece de Natal POSSA tocar o coração de todos nós.

Porque podemos ser melhores do que fomos
Menos egoístas e individualistas
MAIS solidários e companheiros
Menos poderosos e ambiciosos
MAIS humildes e humanistas.

 

 

 (AjAraújo, poeta humanista Tetinho de Santanésia).

 

 

sinto-me: Sem Palavras
musica: È Natal
publicado por Alzira Macedo às 07:39

link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2009

Natal do idoso...

Meus amigos…

Lentamente está a chegar o dia em que a família se junta e comemora o Natal…
Mas para isso há uma serie de preparativos a fazer…
Eu Como mãe esposa e filha também não fujo á regra…
Então lentamente, me irei fazendo sentir menos presente neste meu mágico mundo.
“o mundo virtual”  Mas não pensem por isso que me irei esquecer de algum de vocês…
“Jamais, never, nunca, ” Apenas não falarei tão assiduamente ou postarei como gostaria de o fazer…
Mas o tempo não cresce e nesses dias torna-se ainda mais curto…
Virei cá calma, não me virem já as costas “Senão choro” ahahahaha
Bem meus amigos hoje decidi vos deixar com uma historia de natal…
Mas não é uma historia qualquer, é uma historia real e contada aliás escrita pelo meu amigo Albino Pinho Emigrante na Suíça Payerne…
Esse amigo que é também o autor do meu prefacio no meu livro “Longe da vista, nunca do coração”
No conteúdo dessa historia irão perceber o porquê de me ter cativado e ter pedido autorização para a publicar…
Amigo Pinho para ti e tua família, desejo  um Santo e Feliz Natal, nessas terras longínquas cobertas de neve e saudade do vosso país, da vossa família, de tudo quanto vós um dia deixas-te para partir…
sabes o quanto te prezo amigo aqui tens mais alguém que te terá no pensamento…

 

 

 

 

O Natal do Teodoro

 

 

Depois de mais uma noite mal dormida.
Teodoro, ainda em pijama,  contempla na linha do horizonte o nascer de mais um dia, neste mês de Dezembro,  enquanto a chuva dita de "molha todos" batia, tocada por fortes rajadas de vento,  na vidraça do Lar de Idosos.

Teodoro era um dos muitos utentes do Lar, as circunstâncias adversas, solidão e males crónicos que padecia, obrigaram-no a deixar a sua casa, que tanto lhe custou e tão pouco gozou.

Recém-casado e para fugir á miséria e á guerra colonial, Teodoro como centenas de milhares de Portugueses na época,  tinha emigrado ao "assalto",  nos anos 60 para França.

Pouco tempo depois mandaria vir a sua Maria, que tinha ficado na aldeia em Portugal.

Em terras Gaulesas, nasceram os seus filhos e foi na construção civil, durante décadas, que Teodoro trabalhou duro, aproveitando todos os trabalhos extras,   para dar sempre uma vida material melhor a si e aos seus.

Enquanto a sua Maria fazia um rodopio,  entre o esmerado trato dos filhos as lides caseiras,  e as horas de "menáge" em várias patroas e em horários de conveniência...
Muitas vezes noite dentro e fins-de-semana, umas com descontos para a securité social e a maioria ao negro.

Foi assim que Teodoro e Maria  realizaram em parte o seu sonho, o sonho da maioria dos emigrantes Portugueses...
Construir a casa na aldeia, dar uma boa formação aos filhos, se possível doutores!!! Para não passarem as mesmas dificuldades, terem estatuto e mais respeitabilidade.

Depois de concluída esta etapa, a seguinte seria fazer o pé-de-meia, para quando chegasse a hora de render a guarda, regressar definitivamente  ao seu torrão natal, com a consciência do dever cumprido.
Desfrutar finalmente da sua casa a tempo inteiro, dos ares da terra,  das festas, dos amigos, em soma da vida, tudo isto sem grandes aflições financeiras, sempre na companhia da sua Maria.
companheira incansável de tantas horas amargas, de sonhos, de projectos,  de tantas nostalgias e algumas alegrias...
De tantas viagens de ida e volta no mês de Agosto á aldeia.

Mas há sempre um mas...
E ao virar a casa dos 60, Teodoro e Maria começam a frequentar mais amiúde os consultórios médicos e as urgências dos hospitais.
As más-línguas dizem que as causas, são de tanto trabalharem, outros dizem, que são simplesmente contingências da própria vida.
Aquela alegria do regresso começa a dar lugar á dúvida, a saúde da Maria vai-se degradando dia após dia.
A do Teodoro, também não é famosa, diabetes, atrozes, problemas na coluna, colesterol elevado etc...
Obrigam Teodoro e Maria a encostar ás "boxes" mais cedo que o previsto.
O conselho do médico, e já com a reforma antecipada ganha, Teodoro e Maria regressam quase definitivamente às suas raízes, tantas vezes sonhada, mas nunca desta forma.

As viagens periódicas a França para uma visita médica obrigatória, especialmente para a Maria, eram aproveitadas para visitar os 3 filhos, bem formados e melhor empregados, que lhe deram 4 netinhos, orgulho dos vovôs babados e que lhe ajudavam a esquecer mais as maleitas de que padeciam.

Entretanto a saúde de Maria vai-se degradando seriamente, Teodoro já quase só se ocupa da sua Maria, deixando todos os restantes trabalhos caseiros, que penívelmente ainda ia fazendo para trás.
A sua Maria tem de viver, pensa Teodoro...
Não seria justo o Criador deixar Teodoro sozinho, a sua Maria merecia  recolher os frutos de tantas canseiras, mereciam viver muitos e bons anos juntos, partilhando mais alegrias que tristezas, mereciam realizar o fim que tinham idealizado.

Mas a natureza é implacável, misteriosa e por vezes cruel e um belo dia Maria partiu para o Além, deixando Teodoro no maior dos sofrimentos. Amparado por amigos e familiares, foi necessários meses para Teodoro se recompor para uma nova vida.
Agora sozinho!!!
Com os filhos longe, a saúde e o gosto de viver cada vez menore, não restou outra alternativa a Teodoro do que ir para o Lar de Idosos da terra. Gare de partida para o Além, (estação de partida para o além) como sempre dizia Teodoro, que nunca tinha previsto este fim.

Mais um Natal se aproxima, este o mais triste de todos para o Teodoro, que banhado em lágrimas, recorda outros Natais, os da sua infância.
As consoadas na modesta casa familiar com os seus pais, irmãos e avôs, que acabaram os seus dias em casa da filha mais velha, rodeados com todas as atenções e carinhos,  não precisaram ir acabar em Lares. Sempre á espera de uma visita fugidia, em datas imprevistas,  e sujeitos a programas e horários de "desenferrujamento" quando o que desejam, muitas vezes, é que os deixem tranquilos.

No chuvoso mês de Dezembro a poucos dias do Natal,  em noites de nítido firmamento, Teodoro percorre longamente todo o espaço celeste ao alcance da sua retina, convencido que a sua Maria algures lá de cima, qual estrela mais cintilante,  está guiando os seus passos, como sua Deusa protectora, seu anjo da guarda, esperando pacientemente o dia do reencontro natural com o seu amado,   para o merecido descanso eterno.

 

 

 

 

albino.pinho@sunrise.ch

 

 

       

 

Obrigado amigo, pela tua partilha, Um beijo em teu coração
pela tua amizade e dedicação...

 
Nada mais me resta dizer...
Aqui fica um momento digno de reflexão...

 

 

sinto-me: Realizada com a partilha
musica: È Natal
publicado por Alzira Macedo às 20:30

link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
Domingo, 13 de Dezembro de 2009

Jardins Inabitados...

 

 

Neste meu jardim inabitado…
Quero habitar…
A mim e a vós…
Pois somente junto conseguimos fazer algo de melhor nesta vida…
Cheia de corrupções, cheia de desamores, de traições.
Cheia de tudo menos de algo positivo, no nosso ser humano.
Estamos em época natalícia…
uma época onde as pessoas dão mais valor…
Não entendo sinceramente, mas é assim…
então vou falar aos vossos corações pelo menos tentar com a minha poesia…
espero que chegue lá….

 

 

 

Inabitado.

 

 

Jardins inabitados são os pensamentos!!!

 Pertencem palavras e imagens presentes.

 Ausento-me por segundos do meu jardim!!!
E contemplo a lua que sorri para min.

 Pedaços de felicidade me fazem sorrir!!!
Até os sons da noite consigo ouvir,

 Jardins anteriores que recuam,
deixando lugar às ideias que flutuam.

 Sensação de bem-estar,
como deste jardim não gostar!!!

 Cada sombra é um poema.

 Cada momento è vivido como o brilho de uma estrela.

 Trago a magia no pensamento!!!

 Que vivo e partilho a cada momento.

 Se pareço ausente, não creias!!!

 Vivo no meu jardim, fora das vidas alheias.

 Dá valor ao meu silêncio,
não te deixes por ele perturbar.

 São momentos de felicidade que irei contigo partilhar!!!

 Esta noite eu quero ser um jardim de sencações,

 Para poder escrever e alegrar vossos corações.

 Não é verdade que existe solidão,

 É apenas uma palavra enganosa, para não deixar falar o coração.

 Todos nós temos um jardim a florescer!!!

 Apenas necessitas nele acreditar,
não o deixar morrer.

 

 

 

Retirado do livro
In "Longe da vista, nunca do coração
Alzira Macedo
junho 2005

 

 

 

publicado por Alzira Macedo às 17:04

link do post | comentar | ver comentários (12) | favorito

Visitantes


jeux de casino internet

Sou assim...

Julho 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
27
28
30
31

pesquisar

 

posts recentes

Natal sem ti...

Será Natal igual para tod...

Natal do idoso...

Jardins Inabitados...

mais comentados

Arquivos

Julho 2014

Abril 2014

Março 2014

Outubro 2013

Setembro 2013

Julho 2013

Março 2013

Novembro 2012

Setembro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

favorito

A perfeição...

As Contradições do Amor

Quem serei eu

Alzira Macedo-dueto-Sonho...

Teu Nome

Homem do Mar

Amanhecer

Somente Tu

Um pouco sobre mim ...